Seguidores

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Carta para a Empresa CONQUISTADORA.

                                             Pelotas,08 de Janeiro de 1999.

                                                                                         Caro Sr. R....
              
               Pode lhe parecer estranho que uma mulher, lhe escreva para falar sobre seu marido, mas foi o único meio que achei para lhe falar, pensei em lhe telefonar, mas não saberia falar tudo o que pretendo. Assim poderei pôr para fora tudo o que quero lhe dizer. Sou casada com um caminhoneiro que roda por esse Brasil a 24 anos + ou -. Conhece tudo de caminhão, e é em nome dele que tomei a ousadia de lhe escrever, quem sabe na esperança de realiza-lo. Ele é o caminhoneiro mais conhecido em Pelotas, como o mais trabalhador, o mais caprichoso, o mais cuidadoso, enfim o mais em tudo, eu particularmente acho-o o homem mais incrível como pessoa e como profissional. Já trabalhou em várias firmas daqui, e nunca fica desempregado, pois todos o querem para trabalhar, principalmente quando compram caminhão novo e querem que o próprio caminhão se pague. Só que quase todos que trabalhou foi sem carteira assinada, sem seus direitos, e como ele está com 43 anos, a gente vê, o quanto é importante uma carteira assinada. Foi pensando nisso que hoje resolvi lhe escrever, pensei que se ele é tão bom profissional, porque não trabalhar numa empresa que nem a Conquistadora, tenho certeza que se ele tivesse uma oportunidade, seria uma realização, como homem e como profissional.
               Me dá pena de ver ele se matando de tanto trabalhar, para que outros usufruam do seu talento, não é inveja, mas é o orgulho que tenho do meu marido, de ver tanto talento se perdendo em prol dos outros e não de si mesmo, se ele trabalhasse em sua empresa, nesta hora estaria em casa com a gente, descansado e feliz, não do jeito que ele está na estrada.
            Nestes 24 anos em que trabalha na estrada, ele nunca se envolveu em acidentes, tenho a maior confiança, por sei que só se Deus quiser que aconteça algo, porque se for por ele não acontece nada, pelos cuidados, pela atenção, pela responsabilidade, ás vezes chego até a brincar que ele gosta mais do caminhão do que de mim.
               Sei  que posso parecer petulante, mas me arrisco a lhe escrever e lhe pedir para que lhe dê uma chance, ele é ainda moço, é um homem forte, saudável e o mais importante é honesto. Por isso acredito que se o Sr. resolver de pelo menos fazer um teste de 30 ou 60 dias, nunca mais vai lhe soltar, pois só o que falta é de alguém que como eu acredite nele também.
               Não quero que o Sr. me julgue mal, estou lhe pedindo uma oportunidade de que o Sr. o conheça também, converse com ele, tenho certeza de que não se arrependera, pois além de ser o melhor profissional, ele é uma pessoa alegre, brincalhona, amigo dos seus amigos, e esta é a oportunidade que quero que o Sr. tenha também de conhecer.
               Nós moramos na vila Princesa, temos casa própria, enfim já estamos estabilizados, só o que ele precisa é de um emprego em que possa viver mais em casa, junto a nós, com amor, com paz e tranqüilidade. Enfim se isto se realizar, não tenho mais nada a pedir a Deus, só agradecer.
               Ele nem imagina que ousei fazer isto, lhe escrever, desculpe novamente a minha ousadia, escrevi com o coração, coloquei no papel tudo o que estou sentindo, acredito que o Sr. compreenderá, que é humano e também com sentimentos sinceros, acreditando nisso é que resolvi lhe escrever e a ficar aqui a esperar uma resposta. O nome dele é Edemar Antônio Ebeling e já tem uma ficha preenchida ai.
                                             Que Deus lhe ilumine!!!.



Ps. Dia 10 de Janeiro de 1999 ele foi chamado a trabalhar nessa empresa, embora ele hoje diga que não tive mérito nenhum, se algum dia ler essa carta possa ver que tive sim, um empurrão de uma esposa na epóca apaixonada que fez e faria tudo para ajudar marido, mesmo ele não reconhecendo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário