Seguidores

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Solidão.

Que o meu amor te surpreenda,
Nessa manhã que amanheceu triste
Sem tua presença,
E teus olhos vislumbrem o meu eu
Como sou, mesmo a distância,
Que tua boca fale palavras de amor baixinho
ao vento,
E teus olhos fitem os meus,
Mesmo em teus sonhos,
E por fim, tua mão pouse sobre a minha,
Nessa angustiante solidão que me mata
Cada vez que penso em ti! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário