Seguidores

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Eu desisto


Desisto de tentar entender essa saudade louca, mesmo sendo ignorado e muitas vezes desprezado por você. Não vou mais tentar explicar-lhe o que sinto através das palavras e gestos que pouco traduzem o tanto que eu gosto de ti. Você esqueceu toda a tristeza que dia-a-dia insiste em visitar meus desejos quando surge o sol de prata.

Sonhei muitas vezes em brincar no teu corpo, fazê-la repousar em meu peito. Juro, desejaria entendê-la ao menos uma vez! Saber por quê tanta indiferença, por quê tanta mudança, por quê tanto desdém? Aflito, vou calar-me diante da incapacidade de fazê-la compreender que sou mais teu do que de mim...não adianta construir sem antes erguer um forte alicerce...você não entende...

Muitas vieram, tantas foram, porém você ficou. E por quê logo você, razão de toda minha inspiração que sequer esforça-se para aceitar todo o carinho que lhe oferto? Logo você que inventou o amor não lembra mais o que é carinho. Não peço que aceite, mas que respeite, ao menos, o que sinto...como dói o menosprezo!

Estranha sensação que seu comentário sempre provoca... magoa, fere, dilacera. Um choro sem grito, uma dor silente, ardência sem lágrimas, melodia sem som, um adeus disfarçado de até breve. Talvez seja essa uma das piores angústias que a vida pode nos proporcionar além da perda. Tantos anos já passaram, no entanto ainda guardo seu cheiro, seu toque, seu jeito. Muitos afirmam ser bobagem criar pseudo expectativas, mas não ensinam como aceitar ou esquecer. Eu queria tanto aprender...

É o tempo que não passa, a canção que não pára, os momentos que não vão. Presença diária da tua ausência que incomoda por eu saber que serei ferido mais uma vez. Sequência interminável da angústia de desejá-la eternamente...não aguento.

Explique-me, como pode ficar tão chateada com elogios? Sim...essa é a imagem que por mais que eu tente, não consigo apagar. Ela que briga, maltrata, mas é linda. Sou réu confesso e meu crime é ter seu nome marcado em meu coração que não desistirá de apelar ao tribunal dos sentimentos mais profundos. Porém, esforçarei-me para desistir, sofrendo, ainda que toda essa luta seja em vão...

Autor: Oswaldo Jesus Rodrigues da Motta

Nenhum comentário:

Postar um comentário